11
jun/17

Esposo(a), filhos e casa. Como equilibrar?

Centrar a sua vida nos filhos não é bom e tudo mundo sabe. No entanto, as necessidades pessoais deles são tantas, que é muito fácil se deixar levar por esse envolvimento. Quando os pais menos percebem, se veem engolfados de forma quase total na atividade dos filhos e se esquecem deles como casal.

Se você percebe que tem estado afastado de seu cônjuge e ambos tem se envolvido exclusivamente com o trabalho ou só com os filhos, eis aqui algumas idéias que poderão ajuda-lo a manter o equilíbrio:

* Cultive a hora do sofá:

Ao terminar um dia de trabalho, arrumem 15 minutos para sentar no sofá. Isso deve acontecer quando as crianças estão acordadas e não só depois delas terem ido dormir. Explique a elas que interrupções desnecessárias não serão admitidas, porque é um momento especial da mãe e do pai ficarem juntos. “O papai vai ficar com a mamãe e depois brincará com você”.

Esse momento no sofá é a expressão visível da união entre o pai e a mãe e reforça o sentimento de segurança na criança. Isso a previne de ansiedades gerais e satisfaz suas necessidades interna. Sem contar que esse pequeno tempo no sofá gera uma oportunidade para o casal se curtir e ficar mais um com o outro. Igualmente eficaz com essa sugestão, estão o tempo em que o casal conversa, enquanto um termina a janta. Atitudes como essa, demonstram proximidade.

         * A vida não pára quando há filhos:

As pessoas estão acreditando tanto que filhos travam a vida e essa é a maior mentira que podemos cair. Sua vida pode desacelerar em alguns aspectos, mas não deixa de existir por isso, pois afinal, eles são verdadeiros presentes que demonstram o amor entre o casal.

Defendo inclusive, a idéia de que os filhos nos salvam de nos enterrarmos ainda mais nesse rotina estressante, pois o tempo com eles, significa alívio de todas as tensões externas.

* Namore mais:

Se vocês tinham hábitos de sair quando eram namorados, então, ao menos uma vez por semana/mês o casal precisa tirar para estarem a sós. Isso é sério e importante, mas não deve ficar só na teoria e nem se cumprir algumas semanas e depois deixar com que tudo volte como antes. Se o casal não tinha esse hábito antes, então é hora de criar. Se o esposo traz bala para os filhos, pode lembrar de trazer um bombom para a esposa. Alimentar a relação fará falta no futuro.

Mais importante do que desenvolver estratégias, é trabalhar na manutenção da relação:

Você não precisa passar por uma crise afetiva para lembrar que o relacionamento precisa de “água”. Tão importante quanto foi a conquista de seu(sua) amado(a), igualmente sábio é quem investe na boa manutenção dessa relação.

Grave essas orientações e não espere a crise chegar para mudar de atitude. Com planejamento e organização, tudo tende a se adequar. É só priorizar.

VOLTAR

Karine Rizzardi
CRP 08/09524
A autora é psicóloga especialista de Casais e Família

De acordo com a lei 9610 de 19/02/1998, este conteúdo está protegido. É autorizada a sua reprodução, desde que seja feita de maneira integral e citando a autoria/link original.
Rua Vicente Machado, 1587 (Anexo ao Centro Dermatológico de Cascavel)