06
maio/18

A história de um casamento

Leia a história verídica deste homem contando sobre seu casamento:

“Houve uma noite que segurei a mão da minha esposa e disse: “Tenho algo importante para te dizer. Quero o divórcio”. Ela simplesmente  perguntou em voz baixa: “Por quê?” Eu evitei responder, o que a deixou muito brava. Ela jogou os talheres e gritou “Você não é homem!” Pude ouví-la chorando e eu não queria dizer que meu coração não pertencia mais a ela e sim a Jane. Eu sentia pena dela e naquela noite discutimos até altas horas. Me sentia culpado, mas no fundo estava aliviado.

No dia seguinte, eu cheguei em casa tarde e a encontrei sentada na mesa escrevendo. Eu não jantei, fui direto para a cama e dormi imediatamente, pois tinha passado o dia com a Jane. Quando acordei no meio da noite, ela ainda estava sentada a mesa, escrevendo. Eu a ignorei e voltei a dormir. Na manhã seguinte, ela me apresentou suas condições: Não queria nada meu, mas pedia um mês de prazo para conceder o divórcio. Ela pediu que durante os próximos 30 dias a gente tentasse viver juntos de forma mais natural possível. As suas razões eram que o nosso filho faria vestibular no outro mês e precisava de um ambiente propício para se preparar bem. Isso me pareceu razoável. Ela me pediu que durante os próximos 30 dias eu a carregasse no colo todas as manhãs como eu fazia no início do nosso casamento. Ela estava completamente louca, mas aceitei sua proposta para não tornar meus próximos dias ainda mais intoleráveis.

Minha esposa e eu não tínhamos nenhum contato físico havia muito tempo e no primeiro dia, foi totalmente estranho. Nosso filho nos aplaudiu dizendo “O pai está carregando a mamãe no colo!”

No segundo dia, foi mais fácil para nós dois. Ela se apoiou no meu peito, eu senti o cheiro do perfume que ela usava e percebi o quanto ela tinha envelhecido nestes últimos 10 anos, havia rugas no seu rosto, seu cabelo estava ficando fino e grisalho.

Certa manhã, ela estava na frente do espelho e disse: “Todos os meus vestidos estão grandes para mim”. Eu então percebi o quanto ela havia emagrecido e fiquei com uma ponta de remorso. Ela carregava tanta dor e tristeza em seu coração. Instintivamente, eu toquei seus cabelos e nisso nosso filho entrou no quarto e disse “Pai, está na hora de você carregar a mamãe”. Minha esposa abraçou nosso filho e o segurou em seus braços por alguns segundos. Eu enchi meu olho de lágrima e tive que sair de perto. Em seguida, a carreguei em meus braços, quando sua mão repousava em meu pescoço e nesta hora lembrei-me do dia do nosso casamento.

No último dia, fui comprar um buquê de rosas para minha esposa e voltando para casa naquela noite, fui direto ao nosso quarto onde a encontrei deitada na cama – morta.

Minha esposa estava com câncer e vinha se tratando a vários meses, mas eu estava muito ocupado com a Jane para perceber que havia algo errado com ela. Ela sabia que morreria em breve e quis poupar nosso filho dos efeitos de um divórcio – tentando proporcionar ao nosso filho a imagem boa de nós dois juntos. Isso me deixou acabado.

Obs: Encontre tempo para ser amigo de sua esposa… É da amizade que o amor se sustenta!

VOLTAR

Karine Rizzardi
CRP 08/09524
A autora é psicóloga especialista de Casais e Família

De acordo com a lei 9610 de 19/02/1998, este conteúdo está protegido. É autorizada a sua reprodução, desde que seja feita de maneira integral e citando a autoria/link original.
Rua Vicente Machado, 1587 (Anexo ao Centro Dermatológico de Cascavel)